Aves

AVES

As aves (latim científico: Aves) constituem uma classe de animais vertebrados, bípedes, homeotérmicos, ovíparos, caracterizados principalmente por possuírem penas, apêndices locomotores anteriores modificados em asas, bico córneo e ossos pneumáticos. Habitam todos os ecossistemas do globo, do Ártico à Antártica.

As aves atuais variam muito em tamanho, do Mellisuga helenae de 5 centímetros ao avestruz de 2,75 metros. O registro fóssil indica que as aves evoluíram dos dinossauros terópodes durante o período Jurássico, por volta de 150-200 milhões de anos atrás (Ma), e a primeira ave conhecida é o Archaeopteryx do Jurássico Superior, cerca de 150-145 Ma. A maioria dos paleontólogos considera as aves como o único clado de dinossauros a sobreviver ao evento de extinção Cretáceo-Paleogeno, aproximadamente 65,5 Ma. São reconhecidas aproximadamente 10 000 espécies de aves no mundo.

Note que todos os pássaros são aves, mas nem todas as aves são pássaros. Os pássaros estão incluídos na ordem Passeriformes, constituindo a ordem mais rica, ou seja, com maior número de espécies dentro do grupo das aves.

Enquanto a maioria das aves se caracteriza pelo voo, as ratitas não podem voar ou apresentam voo limitado, uma característica considerada secundária, ou seja, adquirida por espécies “novas” a partir de ancestrais que conseguiam voar. Muitas outras espécies, particularmente as insulares, também perderam essa habilidade. As espécies não-voadoras incluem o pinguim, avestruz, quivi, e o extinto dodo. Aves não-voadoras são especialmente vulneráveis à extinção por conta da ação antrópica direta (destruição e fragmentação do habitat, poluição etc.) ou indireta (introdução de animais/plantas exóticas, mamíferos em particular).

A classificação tradicional segue o padrão de Clements (também conhecido como as ordens de Clements):

  • Subclasse †Archaeornithes Gadow, 1893– aves ancestrais
    • Ordem †Archaeopterygiformes Lambrecht, 1933 – arqueopterix
    • Ordem †Confuciusornithiformes Hou et al., 1995
  • Subclasse Neornithes Gadow, 1893– aves modernas
    • Superordem Paleognathae Pycraft, 1900 – aves com asas atrofiadas e osso esterno sem quilha
      • Ordem Apterygiformes Haeckel, 1866 – quivi
      • Ordem †Dinornithiformes Gadow, 1893 – moa
      • Ordem Casuariiformes Sclater, 1880 – casuar
      • Ordem †Aepyornithiformes Newton, 1884 – ave-elefante
      • Ordem Struthioniformes Latham, 1790 – avestruz
      • Ordem Rheiformes Forbes, 1884 – ema
      • Ordem Tinamiformes Huxley, 1872 – macuco, inhambu
    • Superordem Neognathae Pycraft, 1900 – aves com asas bem desenvolvidas e osso esterno com quilha
      • Ordem Sphenisciformes Bonaparte, 1831 – pinguim
      • Ordem Gaviiformes Wetmore & Miller, 1926 – mobelha
      • Ordem Podicipediformes Fürbringer, 1888 – mergulhão
      • Ordem Procellariiformes Fürbringer, 1888 – albatroz, petrel
      • Ordem Pelecaniformes Sharpe, 1891 – pelicano, atobá, cormorão, rabo-de-palha
      • Ordem Ciconiiformes Bonaparte, 1854 – cegonha, garça, urubu, íbis
      • Ordem Anseriformes Wagler, 1831 – pato, ganso, cisne
      • Ordem Falconiformes Sharpe, 1874 – águia, gavião, falcão
      • Ordem Galliformes Temminck, 1820 – galo, peru, faisão, perdiz, pavão, aracuã, jacu, mutum
      • Ordem Gruiformes Bonaparte, 1854 – grou, saracura, jacamim, seriema
      • Ordem Charadriiformes Huxley, 1867 – batuíra, maçarico, gaivota, jaçanã
      • Ordem Columbiformes Latham, 1790 – pombo, dodô
      • Ordem Psittaciformes Wagler, 1830 – papagaio, arara, periquito, cacatua
      • Ordem Cuculiformes Wagler, 1830 – cuco, anu
      • Ordem Strigiformes Wagler, 1830 – coruja
      • Ordem Caprimulgiformes Ridgway, 1881 – bacurau, urutau
      • Ordem Apodiformes Peters, 1940 – andorinhão, beija-flor
      • Ordem Coliiformes Murie, 1872 – rabo-de-junco
      • Ordem Trogoniformes Wetmore & Miller, 1926 – surucuá
      • Ordem Coraciiformes Forbes, 1884 – martim-pescador, rolieiro
      • Ordem Piciformes Meyer & Wolf, 1810 – pica-pau, tucano
      • Ordem Passeriformes Linnaeus, 1758 – pássaros
Anúncios

Discussão

Um comentário sobre “Aves

  1. por que as maritacas comçan a cosar o peito e arrancar as penas q tipo de parasita e esse como combate-lo

    Publicado por Gleide Passos | 07/12/2012, 08:30

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Arquivos Diários

agosto 2018
S T Q Q S S D
« nov    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: